sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Homeopatia


Alopatia é um termo atribuído a Christian Friedrich Samuel Hahnemann (1755-1843), considerado o Pai da Homeopatia, para descrever técnicas de tratamento que sigam o princípio "Contraria contrariis curantur" (alo=contrário e pathia=doença), o tratamento é feito por medicamentos contrários à doença, o que seria oposto ao "Similia similibus curantur", (homeo = semelhante e pathia = doença), o tratamento é feito por medicamentos semelhantes à doença, que dinamizados irão provocar um equilíbrio energético, base terapêutica da homeopatia. A alopatia geralmente se refere à medicina atual, ou convencional, de bases científicas, em contraste à medicina alternativa.
A alopatia e a homeopatia propõem formas diferentes de tratamento, e seu funcionamento depende da doença a ser tratada, muitas vezes funcionando muito bem juntas.
A Homeopatia surgiu em 1796 por meio do médico alemão Hahnemann. Christian Friedrich Samuel Hahanemann nasceu em 10 de abril de 1755, em Meissen, na Saxônia, à leste da atual Alemanha, sob o reinado de Frederico II, da Prússia. Estudou medicina, mas não satisfeito por não conseguir curar realmente seus pacientes, como tinha se proposto a fazer, pela ineficiência da medicina de grande parte dos médicos da época, se afasta da profissão, voltando a estudar e trabalhar com produtos químicos e fazer traduções. Em 1790 começa a fazer a tradução de uma obra de Cullen, que "falava sobre as propriedades da "Chinchona officinalis", ou quinina ou quina, introduzida na Europa, mas proveniente do Peru, onde os nativos a usavam para tratamento do paludismo. Cullen atribui a influência curativa da Cinchona ao poder que exerce através do fortalecimento do estômago, com produção de uma substância contrária a febre.As explicações de sua ação não o convenceram, mas chamou-lhe a atenção que o abuso que se fazia da quinina acarretava sintomas semelhantes aos que se apresentavam espontâneamente na enfermidade natural. " No Brasil, a Homeopatia foi introduzida em 1840 pelo homeopata francês Benoit Mure. A Homeopatia no Brasil mantêm sua força e seu crescimento até o final da década de vinte, quando começa lentamente o seu declínio, talvez devido ao advento da nova terapêutica química na Medicina, pois o aparecimento de armas terapêuticas como as sulfas, e o despreparo filosófico dos homeopatas.
Nos anos sessenta praticamente já não existe a Homeopatia no Brasil, que nessa época só sobrevive em uns poucos abnegados, principalmente nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Dentre eles despontam nomes de Abraão Brickman – que particularmente tratou do meu avô Luis Simione com resultados suspreendentes - Alfredo de Vernieri, Paiva Ramos, David Castro e Artur de Almeida Resende Filho. Mas foi nesta mesma década que a Homeopatia retorna num ritmo crescente em termos de prestígio, notoriedade e demanda, tanto pacientes como dos colegas médicos interessados, até nossos dias.
A dinamização citada acima é o ato de triturar ou diluir e sucussionar(agitar várias vezes) um medicamento homeopático. É a transformação da matéria pelo aumento de seu poder de informação. Os medicamentos homeopáticos são preparados a partir de produtos dos três reinos da natureza: vegetal, mineral e animal, segundo técnica própria e em doses mínimas. Os nomes dos medicamentos, em bolinhas ou gotas, são escritos em latim.



Lista de medicamentos homeopáticos
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Lista não exaustiva de medicamentos homeopáticos.
Elementos ou compostos químicos



o Argentum nitricum, nitrato de prata
o Antimonium crudum
o Antimonium Tartaricum, tartarato de antimônio e de potássio
o Arsenicum album, trióxido de diarsênico
o Aurum metallicum, ouro
o Calcarea carbonica (Ostrearum), carbonato de cálcio proveniente da concha da ostra, contendo outros composostos como iodeto de sódio
o Calcarea fluorica
o Carbo vegetalis, carvão vegetal
o Cuprum metallicum, cobre
o Hepar sulfuris
o Kalium bichromicum, bicromato de potássio
o Kalium carbonicum, carbonato de porássio
o Natrum muriaticum, cloreto de sódio. É o sal marinho, contendo portanto outros compostos.
o Natrum sulfuricum, sulfato de sódio
o Phosphorus, fósforo brando
o Silicea, óxido de silício
o Sulfur, enxofre
o Zincum metallicum, zinco
 Preparações vegetais
o Aconitum napellus
o Aesculus hippocastanum
o Allium cepa, cebola
o Anacardium orientale
o Arnica montana
o Belladonna
o Berberis vulgaris
o Bryonia alba
o China rubra, quina
o Cicuta virosa
o Digitalis
o Drosera rotundifolia
o Dulcamara
o Euphrasia officinalis
o Gelsemium sempervirens
o Hamamelis virginiana
o Hyoscyamus niger
o Hydrastis canadensis
o Hypericum perforatum
o Ipeca
o Ledum palustre
o Lycopodium clavatum
o Mezereum
o Nux vomica
o Pulsatilla
o Rhus toxicodendron
o Sanguinaria canadensis
o Stramonium
o Thuya occidentalis
o Veratrum album, heléboro branco
 Preparações animais
o Anas barbariae
o Apis mellifica, abelha
o Calcarea carbonica, carbonato de cálcio proveniente da concha da ostra
o Cantharis
o Lachesis mutus, veneno de surucucu
o Naja tripudians, veneno de naja
o Sepia officinalis, tinta de lula
o Vipera redi
 Preparações anti-miasmáticas
o Luesinum, soro preparado a partir de cancro sifilítico
o Psorinum, soro preparado a partir de vesícula de escabiose
Outra coisa que se ouve falar em homeopatia são os Nosódios
São homeopatias feitas a partir do agente causador da doença ou do desequilíbrio. Exemplo: inseto-praga, fungo, bactéria e vírus. O nosódio vivo é preparado com agentes vivos, podendo ser aplicado somente nas potências acima de 5CH. Se envolver organismos que contaminam agressivamente adotar dinamizações acima de 12CH. (Fonte: http://www.webartigos.com/articles/22772/1/A---utilizacao-de-nosodios-como-arsenal-terapeutico-em-homeopatia-odontologica/pagina1.html#ixzz0vT6cXmXH)

CURIOSIDADE: não tente fazer em casa. (retirado do site: http://redeagroecologia.cnptia.embrapa.br/biblioteca/manejo/homeopatia/Homeopatia%20simples.pdf)
Preparando a Tintura-mãe de origem animal
Vamos precisar de:
• Animal ou parte do animal
• Álcool de cereais
• Água destilada
• Recipiente contendo medida
• Vidros escuros com tampa
• Etiqueta (rótulo)
• Funil
• Filtro de papel
• Palitos de madeira, espátula.
Modo de fazer a tintura
Para insetos como a formigas, besouros, maria-fedida, abelha, marimbondos devemos utilizar álcool de cereal 70%.
Para animais ou partes de animais de corpo mole o mais correto seria (lagarta, berne, lesma) preparar uma solução com glicerina, álcool de cereais e água destilada (1 parte de cada).
Para facilitar o entendimento vamos ensinar a preparar a homeopatia com álcool de cereal 70%.
Passos:
• Coletar uma medida (uma parte) de insetos vivos
• Adicionar 5 medidas (cinco partes) de álcool 70% ou da solução de glicerina-álcool-água.
o Atenção: O líquido e o animal não podem ocupar todo o espaço do frasco.
• Etiquetar e guardar o frasco num local seco, arejado e sem luz direta.
• Agitar o frasco 1 vez ao dia, durante 20 dias.
• Filtrar após os 20 dias.
• Colocar a etiqueta (rótulo) com todas as informações.
• Após 48 horas de repouso a Tintura-mãe está pronta paraser dinamizada.

Pois é, se você faz uso de homeopatia (eu faço), já deve ter tomado um nosódio. Pode até parecer meio esquisito, mas como comer fora de casa, melhor não saber como é feito.

O termo NOSÓDIO foi substituído por BIOTERÁPICO, que é a denominação francesa. Enquanto NOSÓDIO se definia por "medicamentos preparados com produtos patológicos, vegetais ou animais", BIOTERÁPICOS se define por "produtos quimicamente não definidos (secreções, excreções patológicas ou não, certos produtos de origem microbiana e alérgenos) que servem de matéria prima para as preparações homeopáticas bioterápicas" (Farmacopéia Francesa décima edição, 1985). Sabe-se que na dinamização proposta (30 DH), o medicamento não apresentará riscos de contágio, somente desenvolvendo os efeitos benéficos de estímulo reacional sobre a energia vital do enfermo sendo que o nosódio vivo é preparado e dinamizado a partir de culturas de Toxoplasma gondii 30 DH ,Tripanosoma cruzzi 30 DH , Treponema pallidum 30 DH , Leishimania tegumentaris 30 DH, Streptococcus b hemolyticus Grupo A de Lancefield 30 DH , Helicobacter pylori 30 DH e Staphylococcus aureus 30 DH . Podemos concluir que o uso de nosódios é um elemento adicional ao arsenal terapêutico em homeopatia odontológica.
De fato, o tratamento homeopático consiste em fornecer a um paciente sintomático doses extremamente pequenas dos agentes que produzem os mesmos sintomas em pessoas saudáveis, quando expostas a quantidades maiores. Deste modo, o sistema de cura natural da pessoa é estimulado e estabelece uma reação de restauração da saúde por suas próprias forças, de dentro para fora. O medicamento homeopático é preparado em um processo que consiste em diluição sucessiva da substância, sucussão e "dinamização" (ou "potencialização"), em uma série de passos. "Toma-se uma parte da substância curativa pura e dilui-se-a em 99 partes de solução hidroalcoólica a 70% (i.e., 70% de álcool etílico e 30% de água): esta é a primeira diluição ou primeira potência (CH1). Depois, da diluição resultante, toma-se 1(uma) parte e dilui-se-a novamente com 99 partes de solução alcoólica a 70%; esta é a segunda diluição ou segunda potência (CH2). E assim por diante". A homeopatia considera que quanto maior a diluição seguida da sucussão, tanto maior será a potência do preparado.
Por isso usam-se aquelas bolinhas de açucar que são glóbulos selecionados, com o mesmo tamanho, feitos por confeiteiro, para que a dose possa ser suficientemente pequena e para que os médicos homeopatas, durante o preparo e administração das doses, possam ter um padrão e comparar, os resultados de sua
prática com a de outros homeopatas. Um glóbulo “carregará consigo” menos que 1/500 da gota de álcool de forma uniforme entre todos eles.
Aceitação da homeopatia nos países
Homeopatia não se acha pacificamente inserida como especialidade médica em todos os países. Mesmo aqueles que lhe conferem alguma aceitação oferecem-lhe certas restrições, ou de natureza institucional (as comunidades científico-médicas, os conselhos médicos, as ordens médicas etc.) ou de cunho legal (as disposições normativas pertinentes na ordem jurídico-política de cada país). Consideram-se questionáveis, sob a ótica da metodologia científica vigente, tanto o princípio como as técnicas, que deveriam ser provados e aprovados segundo os cânones do método científico moderno. Em particular, citam-se:
Os altos níveis de diluição (variando de acordo com o medicamento), que conduziriam à ineficácia por inexistência de princípio ativo (compostos são tão diluidos que, em doses comuns, é impossível que haja uma única molécula do princípio activo em toda a solução);
A falta de estudos acadêmico-científicos que comprovem a eficácia de tal método (sobretudo estudos de duplo-cego)
O grande número de estudos científicos com resultados negativos — que comprovam a ineficácia da homeopatia.
No Brasil, é considerada especialidade médica desde 1980 e é utilizada pelo Sistema Único de Saúde desde 2006, além de ser uma das práticas alternativas recomendadas pela OMS.
Além da visão holística impressa em toda a obra de Hahnemann, ou seja, a visão do todo sobre as partes, há quatro princípios que orientam a prática homeopática, quais sejam:
Lei dos Semelhantes: Resultado de suas releituras dos Clássicos e, sobretudo, de suas próprias experiências, anuncia esta Lei universal da cura: similia similibus curantur. Exemplificando, um medicamento capaz de provocar, em uma pessoa sadia, angústia existencial que melhora após diarréia e febre, curaria uma pessoa cuja doença natural apresente essas características.
Experimentação na pessoa sadia: A fim de conhecerem as potencialidades terapêuticas dos medicamentos, os homeopatas realizam provas, chamadas patogenesias; em geral são eles mesmos os experimentadores. Tipicamente não se fazem experiências com animais. Uma condição básica para a escolha dos provandos é que sejam saudáveis. Esses medicamentos são capazes de alterar o estado de saúde da pessoa saudável e justamente o que se busca são os efeitos puros dessas substâncias.
Doses infinitesimais: A preparação homeopática dos medicamentos segue uma técnica própria que consiste em diluições infinitesimais seguidas de sucussões rítmicas, ou seja: mistura-se uma pequena quantidade de uma substância específica em muita água e/ou álcool e agita-se bastante. A tese é de que essa técnica "desperte" as propriedades latentes da substância. Isso é chamado de "dinamização" ou "potencialização" do medicamento.
Medicamento único: Primeiro o homeopata avalia se a natureza individual está a "pedir" intervenção com medicamento, pois esse é um dos meios que o médico tem para auxiliar a pessoa, não o único. Sendo o caso, usa-se um medicamento por vez, levando-se em conta a totalidade sintomática do paciente. Só assim é possível ver seus efeitos, a resposta terapêutica e avaliar sua eficiência ou não. Após a primeira prescrição é que se pode fazer a leitura prognóstica, ver se é necessário repetir a dose, modificar o medicamento ou aguardar a evolução.
A aceitação da homeopatia como uma forma autônoma e válida de medicina depende da legislação de cada país. Eis o panorama conforme vigente até a data de 15 de maio de 2010:
Austrália: à semelhança do qu ocorre no Reino Unido, a homeopatia é legalizada como prática médica, por ato do parlamento.
Bélgica: a homeopatia é reconhecida, desde que praticada por médicos. Cerca de 25% da população belga utiliza por vezes medicamentos homeopáticos.
Brasil: a partir de 1979 a homeopatia passou a constar no Conselho de Especialidades Médicas da Associação Médica Brasileira e em 1980, do rol de especialidades do Conselho Federal de Medicina, deixando de fazer parte das medicinas alternativas e passando a constituir parte do que hoje se chama medicinas integrativas. O SUS - Sistema Único de Saúde - a inclui em suas rotinas de atendimento e hoje está estabelecida como política de Estado. Há no País médicos veterinários e odontólogos, além de farmacêuticos e psicólogos, que trabalham oficialmente com homeopatia. Há também a formação em homeopatia ministrada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV) onde não se exige graduação na área de saúde, e nem mesmo um curso superior, formando os chamados "terapeutas homeopatas", atividade que tem causado muita controvérsia. Todavia são poucas as faculdades de medicina no país que reconhecem a homeopatia como especialidade médica. A maior parte dos cursos de medicina (sobretudo os das universidades públicas e particulares de ponta) não reconhecem esta modalidade e nem a introduzem em suas ementas(Homeopatia na USP). Entre as poucas universidades que permitem o ensino de tais práticas a maioria deixa a critério dos alunos a opção entre estudá-las ou não, ao definirem as disciplinas relacionadas ao método como eletivas.
Espanha: a homeopatia é reconhecida como especialidade médica, sendo ensinada nas universidades de Sevilha, Valladolid, Múrcia, Barcelona, Bilbao e Málaga.
EUA: depois de ter sido popular no começo do século XX e ter declinado, a homeopatia ressurge, com escolas de formação em vários estados. Na década de '80 havia cerca de 1000 médicos homeopatas, e outros três mil profissionais usando homeopatia, inclusive dentistas, veterinários e psicólogos.
França: a homeopatia segue as regras estabelecidas por Phillipe de Lyon, que só aceita as potências até CH30. Estes medicamentos, prescritos por médicos, são reembolsados pelo sistema público de saúde. Quase todas as farmácias francesas vendem medicamentos homeopáticos.
Índia: há mais de 120 escolas de homeopatia, ligadas a universidades e a hospitais. 19 delas são mantidas pelo governo.
Países Baixos: a homeopatia não tem reconhecimento oficial, mas uma lei de 1996 garante o direito de cada pessoa escolher entre o tratamento pela medicina oficial ou por outra forma de terapia.
Portugal: a Ordem dos Médicos não reconhece a homeopatia como especialidade médica. No entanto, existem duas associações, uma em Lisboa (SPH) e outra no Porto (SPMH), que aceitam apenas médicos como membros. As farmácias em Portugal vendem medicamentos homeopáticos com autorização do Infarmed.
Reino Unido: a homeopatia é legalizada como prática médica. Um ato do parlamento inglês de 1950 (Ato da Faculdade de Homeopatia) reuniu as leis e regulamentos sobre a prática da homeopatia.
República Checa: há cerca de mil médicos homeopatas clássicos, que não receitam apenas remédios homeopáticos porque as companhias de seguro não cobrem os gastos.
Romênia: a homeopatia foi legalizada em 1969, e é exercida apenas por médicos. Há cerca de setecentos homeopatas no país.

Fontes e referências



Contrárias à homeopatia



 ALMEIDA, Renan Moritz V.. Uma revisão crítica da literatura relativa aos possíveis benefícios da medicina homeopática. São Paulo: Rev. Hosp. Clin. v.58 n.6, 2003.
 COWAN, M.L., BRUNER, B.D., HUSE, N., DWYER, J.R., CHUGH, B., NIBBERING, E.T.J., ELSAESSER, T. and MILLER, R.J.D.. Ultrafast Memory Loss and Energy Redistribution in the Hydrogen Bond Network of Liquid H2O. Nature, 2005, 434(7030), 199-202.
 SHANG A., HUWILER-MÜNTENER, K., NARTEY, L et al. Are the effects of homoeopathy placebo effects? Comparative study of placebo-controlled trials of homoeopathy and allopathy. Lancet 2005; 366: 726-732
 HILL, C. and DOYON, F.. Review of randomized trials of homeopathy. Review d'epidemiologie et de Sante Publique. 38(2):139-47, 1990.
 PARK, Robert L.. Voodoo Science: The Road from Foolishness to Fraud. Oxford U. Press, 2000.
 WAGNER, M. W.. Is Homeopathy 'New Science' or 'New Age'?. Scientific Review of Alternative Medicine 1997 1(1):7-12.



Favoráveis à homeopatia



 Revista Eletrônica de Ciências. São Paulo: Universidade de São Paulo, ago-set 2003.
 Liga Medicorum Homeopathica Internationalis (LMHI)
 MONCORVO, Maria Cecília Ribeiro; SILVA, Cândido Fontoura da; SANTOS, Sônia Terezinha dos Anjos et al. Tratamento homeopático da hepatotoxicose aguda induzida por tetracloreto de carbono em coelhos. Cienc. Rural, jul./set. 1998, vol.28, no.3, p.405-409. ISSN 0103-8478.
 WERKMAN, Cristina; SEGNINI SENRA, Giselle; ROCHA, Rosilene Fernandes da (et al.). Comparative therapeutic use of Risedronate and Calcarea phosphorica – allopathy versus homeopathy – in bone repair in castrated rats. Braz. oral res., jul./set. 2006, vol.20, no.3, p.196-201. ISSN 1806-8324.
 Whole Health Now




Não vivi em vão


Samuel Hahnemann




Os mais inestimáveis
tesouros são a
consciência irrepreensível
e a boa saúde. O Amor
de Deus e o estudo de si
mesmo oferecem uma; a
homeopatia oferece a
outra.

Samuel Hahnemann

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário